Sucarau 06/10/12

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Somos Luz!

Por: :: Wagner Borges :: 


O Divino escultor esculpiu nossa imagem-forma na Luz.
Sorrindo, Ele disse dentro de cada espírito:
"Você ocupará muitas formas na existência, terá vários rostos e corpos, de cores e formatos diferentes, mas a sua verdadeira face é a da Luz!"
Porém, o tempo passou, e nos identificamos com as diversas formas, não só físicas, mas, também, com aquelas mentais e emocionais.
Passamos a viver e agir nas formas, mas sem sentir o Espírito em nós. Passamos a viver de forma vazia, sem sentido e sem profundidade.
Apegamo-nos demais às formas moldadas e condensadas nas energias da natureza, e mesmo quando elas se desgastam, e o seu uso não é mais possível, ficamos meio perdidos, chorando sobre a referência externa com a qual nos identificávamos tanto.
Foi por isso que o sábio Jesus disse:
"Deixem que os mortos enterrem os seus mortos!"
O Rabi estava certo: quem anda com o espírito entorpecido nas ilusões sensoriais do mundo e acha que é só isso que existe, na verdade está morto de raciocínio, percepção e espírito. Confundir a Luz do espírito com a casca abandonada é o mesmo que confundir a roupa com quem a veste.
Se é necessário respeitar o invólucro carnal abandonado, pois era morada do espírito em ascensão, é mais necessário, ainda, respeitar o próprio espírito, essência imperecível e dotado de todos os potenciais celestes.
E nenhum espírito, em época alguma, jamais foi seguro pelo caixão ou pelo solo onde o seu corpo ficou sendo transformado em outras energias pela generosa Mãe Terra.
Aos corpos que ficam na Terra, o nosso muito obrigado, por tudo o que aprendemos por intermédio deles. Porém, somos espíritos com a face da Luz!
Somos forma e semelhança da Luz, pois não somos animais vertebrados, somos consciências imperecíveis. Somos a cara de Deus!
Não somos brancos, negros, amarelos ou vermelhos. Não somos nem mesmo terrestres, pois qualquer espírito é egresso de outros planos sutis, não-físicos.
Portanto, somos extraterrestres, pois terrestres são apenas os corpos que ocupamos temporariamente.
SOMOS LUZ!
Enquanto os "mortos enterram os seus mortos", os espíritos continuam vivendo além... Os primeiros olham as tumbas e choram a ilusão de suas referências apenas físicas; os últimos olham para as estrelas e alçam vôo para outras paragens.
E lá em cima não há nenhum número de tumba como referência, nem esquifes enterrados para alguém se guiar na dor de sua perda ilusória. O que tem mesmo é uma infinidade de espíritos vivos, todos com a cara de Deus!
O Divino Escultor esculpiu nossa imagem-forma na Luz.
Portanto, façamos jus a essa Luz.
SEJAMOS LUZ!*

(Este texto é dedicado às pessoas que jamais desistem dos ideais sadios na existência. Mesmo cercadas por dificuldades variadas, elas persistem e confiam na própria Luz que viaja dentro de seus corações. Elas sabem que essa Luz não é deste mundo, e que só o Divino Escultor é que sabe o real valor de cada um, pois Ele conhece profundamente o mais secreto dos pensamentos dos homens e sabe quem é leal e servidor consciente dos seus magnos desígnios evolutivos.)

Paz e Luz.
Wagner Borges - sujeito com qualidades e defeitos, igual a todos, mas que, quando se lembra de alguém que foi morar no Astral, sempre olha para cima, jamais para baixo, pois sabe que nenhum túmulo pode segurar alguém que é a cara de Deus!

- Nota: Para enriquecer estas linhas, posto na sequência um texto - postado há alguns anos pelo site do IPPB - www.ippb.org.br -, com alguns toques a mais.



QUEM LEVA QUEM?

Muitas vezes, nós que estudamos temas espirituais e procuramos fazer algo de bom com esse estudo - em nossos pensamentos, sentimentos e energias -, costumamos dizer:
"Nós levamos a informação espiritual para os outros."
Na verdade, é a informação espiritual que nos leva; somos apenas seus canais - e, diga-se de passagem, canais imperfeitos -, expressando algumas coisas no mundo.
Expressando algo da espiritualidade e tentando crescer com valores que o mundo sequer considera - valores elevados e muitas vezes esquecidos por nós mesmos quando aprontamos alguma tolice, pois estudar temas avançados não significa que sejamos elevados -, somos levados por ela a certos momentos conscienciais interessantes e criativos.
Levamos a espiritualidade e somos levados por ela, muito mais do que imaginamos.
Quando somos levados por ela, geralmente se apresentam alguns desses estados de consciência:
- Os olhos brilham muito.
- A alegria se apresenta como estado de consciência independente dos fatores que ocorrem no momento.
- O amor possui os pensamentos e leva a altos vôos pelo céu do coração.
- A vontade de crescer aumenta o tesão de viver.
- A aura se expande muito e toca as auras de outros com toques de energia estimulante ao progresso e ao bem de todos.
- A consciência sente-se ligada a outras consciências sadias, da Terra e de outros planos de manifestação.
- Cresce a admiração por todos aqueles homens e mulheres maravilhosos que deixaram mensagens de paz e luz entre os homens.
- Também cresce a admiração por todos aqueles homens e mulheres que vivem na Terra e tentam fazer algo bom, mesmo portando defeitos e enfrentando diversas dificuldades, mas se esforçando por gerar climas melhores na existência.
- A própria imortalidade permeia a consciência e lhe dá forças para continuar caminhando e apreciando a vida, mesmo sob o impacto da perda de alguém amado. Ela sabe dentro dela mesma. Por isso, não precisa de nenhuma doutrinação espiritual para certificar-se de algo que ela sempre soube em seu coração.
- Dentro ou fora do corpo, ela é impelida a estados conscienciais sadios e é incapaz de fazer o mal para alguém. É imperfeita, pois é humana, mas não porta maldade.
Enquanto levamos a informação espiritual, também somos levados por ela. E aí, pouco importa quem leva quem, pois o importante em qualquer estudo espiritual é sempre melhorar a lucidez, ampliar o amor e ser parceiro constante da alegria.
Resumindo: levando a espiritualidade ou sendo levado por ela, o importante é ser feliz com o que se faz.

Paz e Luz.
Wagner Borges

- Mais uma nota: Enquanto organizava esses textos, lembrei-me de dois belos poemas iniciáticos do mestre árabe Rumi, que cabem como uma luva nesse texto. Seguem-se os mesmos logo abaixo.

NO MEU FUNERAL

No dia em que levarem meu corpo morto
Não penses que meu coração ficará neste mundo.
Não chores por mim, nada de gritos e lamentações
- Lembra que a tristeza é mais uma cilada do demônio.

Ao ver o cortejo passar, não grites: "ele se foi!"
Para mim, será esse o momento do reencontro.
E quando me descerem ao túmulo, não digas adeus!
A sepultura é o véu diante da reunião no paraíso.

Ante a visão do corpo que desce
Pensa em minha ascensão.
Que há de errado com o declínio do sol e da lua?
O que te parece declínio, é tão somente alvorada.

E ainda que o túmulo te pareça uma prisão,
E é ele que liberta a alma:
Toda semente que penetra na terra germina.
Assim também há de crescer a semente do homem.

O balde só se enche de água
Se desce ao fundo do poço.
Por que deveria o José do espírito
Reclamar do poço em que foi atirado?

Fecha a tua boca deste lado
E abre-a mais além.
Tua canção triunfará
No alento do não-lugar.

- Rumi -
(Texto extraído do inspirado livro "Poemas Místicos", de Jalad ud-Din Rumi, maravilhoso poeta sufi - Editora Attar).



Wagner Borges é pesquisador,
conferencista e instrutor de cursos de Projeciologia
e autor dos livros Viagem Espiritual 1, 2 e 3 entre outros.
Visite seu Site e conheça a área de áudio e vídeo.